28 de dez de 2014

Freguesias de Minas Gerais.

As 405 Freguesias da Província de Minas Gerais em 1878.
Relacionadas em ordem alfabética e na ortografia atual.
  • Água Pé (da Boa Esperança)
  • Água Suja (da Bagagem)
  • Água Vermelha (do Rio Pardo)
  • Águas do Caxambu
  • Alfenas (Cidade)
  • Alfié (na Itabira)
  • Bagres, freguesia (Ubá)
  • Barra Longa (Mariana)
  • Boa Vista de Itajubá (Cidade)
  • Bom Jesus da Cana Verde (Lavras)
  • Bom Jesus da Cana Verde do Tabuleiro
  • Bom Jesus de Matosinhos (Santa Luzia)
  • Bom Jesus de Pouso Alegre (Cidade)
  • Bom Jesus do Amparo do Rio de São João
  • Bom Jesus do Bonfim do Pomba
  • Bom Jesus do Bonfim, Vila de Jequitaí
  • Bom Jesus do Bonjardim (Turvo)
  • Bom Jesus do Campo Místico (Jaguari)
  • Bom Jesus do Lambari
  • Bom Jesus do Livramento (Aiuruoca)
  • Bom Jesus do lndaiá (Santo Antônio do Monte)
  • Bom Jesus do Monte do Furquim
  • Bom Jesus dos Passos (Cidade)
  • Bom Jesus dos Passos do Rio Preto (Cidade)
  • Bom Jesus dos Perdões (Lavras)
  • Brumado do Mato Dentro
  • Cabo Verde (Vila)
  • Capela Nova das Dores (Queluz)
  • Capivari (São José do Paraíso)
  • Cataguases (Vila)
  • Córrego de Ouro (Três Pontas)
  • Curimataí (Diamantina)
  • Datas (Vila da Gouveia)
  • Divino Espírito Santo da Cristina (Cidade)
  • Divino Espírito Santo da Forquilha
  • Divino Espírito Santo da Mutuca
  • Divino Espírito Santo da Varginha
  • Divino Espírito Santo do Empossado
  • Divino Espírito Santo do Itapecerica
  • Divino Espírito Santo do Lamim
  • Divino Espírito Santo do Mar de Espanha
  • Divino Espírito Santo do Piau
  • Divino Espírito Santo do Pomba
  • Divino Espírito Santo do Pratinha
  • Divino Espírito Santo dos Coqueiros
  • Itambé (do Serro)
  • João Gomes (Barbacena)
  • Lençóis (Vila do Rio Pardo)
  • Melo do Desterro (Barbacena)
  • Mendanha (Diamantina)
  • Milho Verde (Serro)
  • Nossa Senhora da Abadia do Bom Sucesso do Monte Alegre
  • Nossa Senhora da Abadia do Pitangui
  • Nossa Senhora da Abadia do Porto Real de São Francisco
  • Nossa Senhora da Ajuda de Três Pontas (Cidade)
  • Nossa Senhora da Assunção de Mariana (Cidade)
  • Nossa Senhora da Assunção do Chapéu de Uvas
  • Nossa Senhora da Boa Viagem da Itabira do Campo
  • Nossa Senhora da Boa Viagem do Curral del Rei
  • Nossa Senhora da Cachoeira do Brumado
  • Nossa Senhora da Conceição da Água Suja
  • Nossa Senhora da Conceição da Aiuruoca (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição da Barra
  • Nossa Senhora da Conceição da Boa Vista da Leopoldina
  • Nossa Senhora da Conceição da Boa Vista de Alfenas
  • Nossa Senhora da Conceição da Casca ou Bicudos
  • Nossa Senhora da Conceiçao da Estiva
  • Nossa Senhora da Conceição da Ibitipoca
  • Nossa Senhora da Conceição da Lapa
  • Nossa Senhora da Conceição da Piranga (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição de Antônio Pereira
  • Nossa Senhora da Conceição de Camargos
  • Nossa Senhora da Conceição de Carrancas
  • Nossa Senhora da Conceição de Congonhas do Campo
  • Nossa Senhora da Conceição de Cuieté (Rio Doce)
  • Nossa Senhora da Conceição de Jaboticatubas
  • Nossa Senhora da Conceição de Filadélfia
  • Nossa Senhora da Conceição de Prados
  • Nossa Senhora da Conceição de Queluz (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição de Raposos
  • Nossa Senhora da Conceição do Abre Campo
  • Nossa Senhora da Conceiçao do Desemboque
  • Nossa Senhora da Conceição do Jaguari (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição do Laranjal (Cataguases)
  • Nossa Senhora da Conceição do Mato Dentro (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição do Morro da Graça
  • Nossa Senhora da Conceição do Pompéu
  • Nossa Senhora da Conceição do Porto Turvo (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição do Pouso Alto (Vila)
  • Nossa Senhora da Conceição do Rio Manso
  • Nossa Senhora da Conceição do Rio Novo (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição do Rio Pardo (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceiçao do Rio Verde
  • Nossa Senhora da Conceição do Sabará (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição do Serro (Cidade)
  • Nossa Senhora da Conceição do Turvo
  • Nossa Senhora da Conceição dos Tombos de Carangola
  • Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias
  • Nossa Senhora da Glória (Diamantina)
  • Nossa Senhora da Glória de Muriaé
  • Nossa Senhora da Glória do Passa Tempo (Oliveira)
  • Nossa Senhora da Graça da Vendinha
  • Nossa Senhora da Graça do Tremedal (Rio Pardo)
  • Nossa Senhora da Grota do Brumado (Vila de Entre Rios)
  • Nossa Senhora da Luz do Aterrado
  • Nossa Senhora da Madre de Deus de Roças Novas
  • Nossa Senhora da Madre de Deus do Angu
  • Nossa Senhora da Madre de Deus do Rio Grande (São João del Rei)
  • Nossa Senhora da Oliveira (Cidade)
  • Nossa Senhora da Oliveira do Itambé
  • Nossa Senhora da Oliveira do Piranga
  • Nossa Senhora da Penha de França (de São João Batista)
  • Nossa Senhora da Penha de França da Lage
  • Nossa Senhora da Penha do Rio Vermelho
  • Nossa Senhora da Piedade da Boa Esperança
  • Nossa Senhora da Piedade de Barbacena (Cidade)
  • Nossa Senhora da Piedade de Minas Novas
  • Nossa Senhora da Piedade do Bagre (Curvelo)
  • Nossa Senhora da Piedade do Pará (Vila)
  • Nossa Senhora da Piedade do Paraopeba
  • Nossa Senhora da Piedade do Pitangui (Cidade)
  • Nossa Senhora da Piedade dos Gerais
  • Nossa Senhora da Saúde (Mariana)
  • Nossa Senhora da Saúde (Santo Antônio do Monte)
  • Nossa Senhora da Saúde da Lagoa Santa
  • Nossa Senhora da Saúde das Águas Virtuosas da Campanha
  • Nossa Senhora da Saúde do Pinheiro
  • Nossa Senhora da Soledade de Itajubá
  • Nossa Senhora das Candeias (Tamanduá)
  • Nossa Senhora das Dores do Campo Formoso
  • Nossa Senhora das Dores da Boa Esperança (Cidade)
  • Nossa Senhora das Dores da Januária
  • Nossa Senhora das Dores da Serra do Indaiá (Abaeté)
  • Nossa Senhora das Dores de Santa Juliana
  • Nossa Senhora das Dores do Aterrado
  • Nossa Senhora das Dores do Guaxupé
  • Nossa Senhora das Dores do Monte Alegre (Mar de Espanha)
  • Nossa Senhora das Dores do Rio do Peixe
  • Nossa Senhora das Dores do Turvo (Pomba)
  • Nossa Senhora das Mercês do Arassuaí (Diamantina)
  • Nossa Senhora das Mercês do Pomba
  • Nossa Senhora das Necessidades do Rio do Peixe
  • Nossa Senhora de Catas Altas do Mato Dentro
  • Nossa Senhora de Conceição de Morrinhos
  • Nossa Senhora de Loreto da Morada Nova (Abaeté)
  • Nossa Senhora de Montserrate do Baependi (Cidade)
  • Nossa Senhora de Nazareth da Cachoeira do Campo
  • Nossa Senhora de Nazareth de São João del Rei
  • Nossa Senhora do Amparo da Januária (Cidade)
  • Nossa Senhora do Bom Despacho do Pitangui
  • Nossa Senhora do Bom Sucesso (Cidade)
  • Nossa Senhora do Bom Sucesso de Caeté (Cidade)
  • Nossa Senhora do Bom Sucesso dos Serranos
  • Nossa Senhora do Bom Sucesso e Almas da Barra do Rio das Velhas
  • Nossa Senhora do Brejo Alegre.
  • Nossa Senhora do Carmo da Bagagem
  • Nossa Senhora do Carmo da Borda da Mata
  • Nossa Senhora do Carmo da Cachoeira
  • Nossa Senhora do Carmo da Capela Nova do Betim
  • Nossa Senhora do Carmo da Cristina
  • Nossa Senhora do Carmo da Escaramuça
  • Nossa Senhora do Carmo das Luminárias
  • Nossa Senhora do Carmo de Itabira
  • Nossa Senhora do Carmo do Arraial Novo (São Francisco das Chagas)
  • Nossa Senhora do Carmo do Cambuí
  • Nossa Senhora do Carmo do Campestre
  • Nossa Senhora do Carmo do Campo Grande
  • Nossa Senhora do Carmo do Frutal
  • Nossa Senhora do Carmo do Japão
  • Nossa Senhora do Carmo do Pará ou Cajurú
  • Nossa Senhora do Carmo do Prata (Cidade)
  • Nossa Senhora do Carmo do Rio Claro (Vila)
  • Nossa Senhora do Carmo do Tabuleiro Grande
  • Nossa Senhora do Carmo dos Arcos
  • Nossa Senhora do Desterro (Tamanduá)
  • Nossa Senhora do Livramento de Piumhi (Cidade)
  • Nossa Senhora do Nazaré do Inficionado
  • Nossa Senhora do Patrocínio (Cidade)
  • Nossa Senhora do Patrocínio de Caldas (Cidade)
  • Nossa Senhora do Patrocínio de Guanhães
  • Nossa Senhora do Patrocínio do Abaeté (Cidade)
  • Nossa Senhora do Patrocínio do Coromandel
  • Nossa Senhora do Patrocínio do Muriaé
  • Nossa Senhora do Pilar de Congonhas do Sabará
  • Nossa Senhora do Pilar de São João del Rei (Cidade)
  • Nossa Senhora do Pilar do Morro de Gaspar Soares
  • Nossa Senhora do Pilar do Ouro Preto
  • Nossa Senhora do Porto de Guanhães
  • Nossa Senhora do Rosário da Boa Vista do Rio Verde
  • Nossa Senhora do Rosário da Estiva (Piumhi)
  • Nossa Senhora do Rosário da Itabira (Cidade)
  • Nossa Senhora do Rosário da Lagoa (Aiuruoca)
  • Nossa Senhora do Rosário de Cocais
  • Nossa Senhora do Rosário do Sumidouro
  • Nossa Senhora dos Remédios (Piranga)
  • Nossa Senhora e São José de Montes Claros (Cidade)
  • Nossa Senhora Mãe dos Homens da Bagagem (Cidade)
  • Nossa Senhorara das Dores da Vitória (Muriaé)
  • Nossa Senhora da Aparecida do Cláudio
  • Olhos de Água (Jequitaí)
  • Pau Grosso (Santa Luzia)
  • Paraíba do Mato Dentro
  • Passa Quatro (Pouso Alto)
  • Paulo Moreira (Mariana)
  • Piedade da Leopoldina
  • Pirangussú (Itajubá)
  • Porto de Santo Antônio (Pomba)
  • Quilombo (Barbacena)
  • Rio das Pedras (Ouro Preto)
  • Rio Pardo da Leopoldina
  • Rio Preto do Paracatu
  • Santa Ana da Barra do Bacalhau
  • Santa Ana da Maravilha
  • Santa Ana da Ressaca (São José del Rei)
  • Santa Ana de Contendas (Montes Claros)
  • Santa Ana de Lavras do Funil (Cidade)
  • Santa Ana de Traíras (Curvelo)
  • Santa Ana do Areado (Santo Antônio dos Patos)
  • Santa Ana do Bambuí (Formiga)
  • Santa Ana do Barroso
  • Santa Ana do Buriti (Paracatu)
  • Santa Ana do Capão Redondo
  • Santa Ana do Jequiri (Ponte Nova)
  • Santa Ana do Morro do Chapéu
  • Santa Ana do Onça do Rio São João Acima
  • Santa Ana do Pirapetinga (Leopoldina)
  • Santa Ana do Rio das Velhas (Bagagem)
  • Santa Ana do Sapé (Ubá)
  • Santa Ana do Sapucaí (Pouso Alegre)
  • Santa Ana dos Alegres (Vila)
  • Santa Ana dos Ferros (Itabira)
  • Santa Bárbara das Canoas (São Sebastião do Paraíso)
  • Santa Bárbara do Monte Verde
  • Santa Catarina (Cristina)
  • Santa Cruz da Chapada
  • Santa Cruz do Escalvado (Ponte Nova)
  • Santa Helena (da Ponte Nova)
  • Santa Luzia do Carangola
  • Santa Luzia do Sabará (Cidade)
  • Santa Margarida
  • Santa Maria (Itabira)
  • Santa Maria (Monte Alegre)
  • Santa Quitéria (Sabará)
  • Santa Rita da Boa Vista (Itajubá)
  • Santa Rita da Extrema (Jaguari)
  • Santa Rita da Ibitipoca (Barbacena)
  • Santa Rita da Jacutinga (Ouro Fino)
  • Santa Rita de Cássia (de Caldas)
  • Santa Rita de Cássia (dos Passos)
  • Santa Rita de Jacutinga (Rio Preto)
  • Santa Rita do Rio Abaixo (São João del Rei)
  • Santa Rita do Rio Claro
  • Santa Rita do Turvo (Cidade)
  • Santíssima Trindade do Descoberto (Rio Novo)
  • Santíssimo Coração de Jesus (Montes Claros)
  • Santíssimo Coração de Jesus das Barreiras
  • Santíssimo Sacramento (Vila)
  • Santíssimo Sacramento da Barra do Jequitibá
  • Santíssimo Sacramento do Taquaruçu (Caeté)
  • Santo Amaro (Queluz)
  • Santo Antônio da Barra do Bacalhau
  • Santo Antônio da Casa Branca
  • Santo Antônio da Diamantina (Cidade)
  • Santo Antônio da Gouveia (Vila)
  • Santo Antônio da Itacambira
  • Santo Antônio da Itaverava
  • Santo Antônio da Itinga
  • Santo Antônio da Lagoa Dourada
  • Santo Antônio da Manga de São Romão
  • Santo Antônio da Manga do Paracatu (Cidade)
  • Santo Antônio da Olaria (Rio Preto)
  • Santo Antônio da Serra do Grão Mogol (Cidade)
  • Santo Antônio da Tapera
  • Santo Antônio de Gurutuba
  • Santo Antônio de Salinas (Rio Pardo)
  • Santo Antônio de São José del Rei (Cidade)
  • Santo Antônio Dias Abaixo (Itabira)
  • Santo Antônio do Amparo (Oliveira)
  • Santo Antônio do Arassuaí (Cidade)
  • Santo Antônio do Aventureiro
  • Santo Antônio do Brejo das Almas
  • Santo Antônio do Calambau
  • Santo Antônio do Curvelo (Cidade)
  • Santo Antônio do Juiz de Fora (Cidade)
  • Santo Antônio do Machado
  • Santo Antônio do Mar de Espanha (Cidade)
  • Santo Antônio do Monte (Vila)
  • Santo Antônio do Morro de Mateus Leme
  • Santo Antônio do Muriaé (Cataguases)
  • Santo Antônio do Ouro Branco
  • Santo Antônio do Passa Vinte (Aiuruoca)
  • Santo Antônio do Peçanha, Vila do Rio Doce
  • Santo Antônio do Pratinha (Araxá)
  • Santo Antônio do Ribeirão de Santa Bárbara (Cidade)
  • Santo Antônio do Rio Abaixo
  • Santo Antônio do Rio Acima (Sabará)
  • Santo Antônio do Rio do Peixe (Serro)
  • Santo Antônio do Uberaba (Cidade)
  • Santo Antônio do Vale da Campanha (Cidade)
  • Santo Antônio dos Patos (Vila)
  • Santo Antônio dos Tiros (São Francisco das Chagas)
  • São Bartolomeu (Ouro Preto)
  • São Bento de Tamanduá (Cidade)
  • São Brás de Suassuí
  • São Caetano da Vargem Grande
  • São Caetano do Chopótó (Piranga)
  • São Caetano do Riberão Abaixo
  • São Carlos do Jacuí
  • São Domingos da Bocaina
  • São Domingos do Arassuaí
  • São Domingos do Araxá (Cidade)
  • São Domingos do Prata (Santa Bárbara) .
  • São Domingos do Rio do Peixe
  • São Francisco (Diamantina)
  • São Francisco (Santa Bárbara)
  • São Francisco da Glária
  • São Francisco das Chagas do Campo Grande (Vila)
  • São Francisco das Chagas do Monte Alegre (Vila)
  • São Francisco de Assis do Capivara
  • São Francisco de Assis do Paraúna
  • São Francisco de Paula do Lambari
  • São Francisco de Paula do Machadinho
  • São Francisco de Paula do Monte Verde
  • São Francisco de Paula do Ouro Fino (Vila)
  • São Francisco de Sales
  • São Francisco do Monte Santo
  • São Gonçalo (do Serro)
  • São Gonçalo da Campanha
  • São Gonçalo da Contagem
  • São Gonçalo da Ibituruna
  • São Gonçalo da Ponte (Bonfim)
  • São Gonçalo de Catas Altas da Noruega
  • São Gonçalo do Pará (Vila do Pará)
  • São Gonçalo do Rio Preto
  • São Gonçalo do Ubá
  • São Januário do Ubá (Cidade)
  • São João Batista (Cidade)
  • São João Batista da Cachoeira (Paraíso)
  • São João Batista do Barranco Alto
  • São João Batista do Bom Sucesso
  • São João Batista do Douradinho (Campanha)
  • São João Batista do Glória (Piumhi)
  • São João Batista do Presídio
  • São João Nepomuceno do Rio Novo
  • São Joaquim da Serra Negra (Alfenas)
  • São José da Boa Vista (Cabo Verde)
  • São José da Chapada (da Diamantina)
  • São José da Lagoa (Itabira)
  • São José da Pedra Bonita (Ponte Nova)
  • São José das Pedras dos Angicos (Vila)
  • São José de Gurutuba (Grão Mogol)
  • São José do Barroso (Ubá)
  • São José do Chopotó (Piranga)
  • São José do Córrego da Anta (Santo Antônio do Monte)
  • São José do Jacuri (Vila do Rio Doce)
  • São José do Morro Grande (Santa Bárbara)
  • São José do Paraíba (Mar de Espanha)
  • São José do Paraíso (Vila)
  • São José do Paraopeba (Ubá)
  • São José do Picu (Pouso Alto)
  • São José do Rio Preto (Juiz de Fora)
  • São José do Tijuco (Prata)
  • São José do Toledo (Jaguari)
  • São José dos Botelhos (Caldas)
  • São José Nepumoceno de Lavras
  • São Lourenço do Manhuaçu (Ponte Nova)
  • São Manoel do Pomba (Cidade)
  • São Miguel da Piracicaba
  • São Miguel do Anta (Viçosa)
  • São Miguel do Cajuru (São João del Rei)
  • São Miguel e Almas de Arrepiados
  • São Miguel e Almas do Guanhães (Vila)
  • São Paulo de Muriaé (Cidade)
  • São Pedro da Uberabinha
  • São Pedro de Alcântara (Juiz do Fora)
  • São Pedro do Fanado de Minas Novas (Cidade)
  • São Roque de Caratinga (Ponte Nova)
  • São Roque do Piumhi
  • São Sebastião da Cachoeira Alegre (Muriaé)
  • São Sebastião da Capituba (Cristina)
  • São Sebastião da Encruzilhada (Baependi)
  • São Sebastião da Leopoldina (Cidade)
  • São Sebastião da Mata (Muriaé)
  • São Sebastião da Pedra do Anta (Santa Rita do Turvo)
  • São Sebastião da Ponte Nova (Cidade)
  • São Sebastião da Serra do Salitre (Patrocínio)
  • São Sebastião da Ventania (Passos)
  • São Sebastião de Correntes
  • São Sebastião do Areado (Alfenas)
  • São Sebastião do Coimbra (Santa Rita do Turvo)
  • São Sebastião do Itatiaiaçu (Bonfim)
  • São Sebastião do Jaguari (Caldas)
  • São Sebastião do Paraíso (Cidade)
  • São Sebastião do Pouso Alegre, ou Confusão (Campo Grande)
  • São Sebastião do Salto Grande (Arassuaí)
  • São Sebastião dos Aflitos (Santa Rita do Turvo)
  • São Tiago (Bom Sucesso)
  • São Tomé das Letras (Baependi)
  • São Vicente Ferrer da Formiga (Cidade)
  • São Vicente Ferrer do Turvo
  • São Miguel do Jequitinhonha (Arassuaí)
  • Sete Lagoas (Vila)
  • Três Corações do Rio Verde (Campanha)
  • Venda Nova (Sabará)
  • Virgínia do Pouso Alto (Cristina)

23 de dez de 2014

Um conto de Natal

A Árvore de Cristo

Fiódor Mikhailovitch Dostoiewsky
Escritor russo – 1821-1881

Sou romancista. O meu destino é estar sempre escrevendo histórias. Esta foi imaginada do princípio ao fim. Apesar do que bem poderia ter sucedido em qualquer parte, na véspera do Natal, numa grande cidade com um frio horrível.
O meu herói é um menino de muito poucos anos, talvez seis ou menos; ainda não bastante crescido para que desde já o façam mendigar. É provável, contudo, que em um ano ou dois o mandem estender a mão.
Certa manhã acorda num porão úmido e frio. Está envolto numa espécie de roupão sujo e treme. Sua respiração sai como um vapor branco; está sentado a um canto, em cima de uma mala; para se distrair, ele ativa de propósito o bafo da boca e se diverte com vê-lo escapar. Mas tem muita fome. Várias vezes já, desde a manhã, ele se aproximou do leito de tábuas, recoberto por um colchão de palha, fino como um crepe, onde está deitada a sua mãe. Por que razão estará ela ali? Terá vindo, provavelmente, com seu filho, de uma povoação distante e terá caído enferma. A proprietária do porão foi presa, há dois dias, e conduzida ao posto de polícia; hoje é dia de festa e os demais locatários saíram. Um desses maltrapilhos, contudo, está deitado, há vinte e quatro horas, inteiramente bêbedo, sem ter esperado pela festa. De outro canto vêm lamentações de uma velha octogenária atacada de reumatismo. Essa anciã foi, noutros tempos, ama de leite em algum lugar; agora morre sozinha, queixa-se, geme, chama pelo menino que começa a recear a proximidade do canto onde ela estertora. Encontrou o que beber, no corredor, porém não pôde arranjar o menor resto de pão e, pela décima vez ele acaba de acordar a mãe. É que ele terminou por ganhar medo da escuridão; a noite já vai alta e ninguém acende fogo. Tateando, ele encontra o rosto da mãe e se surpreende de que ela não se mexa mais e se tenha tornado fria como a parede. O corpo está inerte. “Faz muito frio!” – pensa ele. Fica imóvel algum tempo, a mão no ombro da morta. Depois, põe-se a soprar os dedos para aquecê-los e, encontrando o seu pequenino gorro sobre a cama, procura docemente a porta e sai do porão. Teria saído antes se não fosse o medo do grande cão que lá em cima, no patamar, à porta do vizinho, latiu durante todo o dia. Mas o cão já não está lá e eis a criança na rua.
— “Meu Deus! Que cidade!” Nunca vira nada de semelhante. Lá longe, de onde ele veio, a noite é bem mais negra e não há senão uma lanterna para toda uma rua; casinhas baixas de madeira, fechadas; na rua, tão logo anoitece, ninguém; todo o mundo se fecha em casa; somente uma multidão de cães que uivam, na noite sombria; centenas, milhares de cães uivando e ladrando por toda a noite. Mas, em troca, havia calor! E tinha-se o que comer.
— “Ah, meu Deus, como seria bom comer! Mas, que algazarra, que barulho! Quanta luz e quanta gente! Quantos cavalos e carruagens! E o frio, o frio!” O corpo fatigado dos cavalos desprende uma fumaça fria, e os seus focinhos ardentes respiram um fumo branco; as ferraduras soam no calçamento, através da neve mole. “E como todos se atropelam... Meu Deus! Como eu queria comer! Um pedacinho de qualquer coisa... Isso me faz doer os dedos...”
Um policial acaba de passar e virou o rosto para não ver o menino.
Aqui está outra rua... Oh! Como é larga! Vão me esmagar aqui, decerto; como correm... e luz, luz! E isto, o que será? Oh! Que grande vidraça! E atrás da vidraça, uma sala e, na sala, uma árvore que vai até o teto; é a árvore de Natal... e quantas luzes sob a árvore! Papéis dourados e maçãs! E bonecas em toda a volta, e cavalinhos de pau. Há crianças na sala, bem vestidas, limpinhas; e riem e brincam e comem coisas. Eis uma menina que se põe a dançar com um rapazinho; como é linda, a menina! Ouve-se a música através do vidro...”
O menino olha, admira, e já sorri; não sente mais dor, nem nos dedos nem nos pés; os dedos de sua mão ficaram inteiramente vermelhos; ele já não pode dobrá-los e sente dor quando os mexe... e de repente os dedos começam a doer; ele chora e se afasta. Percebe, por outro vidro outra sala; e ainda árvore e bolos de toda espécie em cima da mesa; amêndoas vermelhas e amarelas. Quatro lindas senhoras estão sentadas e, quando alguém chega, lhe dão um pedaço de bolo; a porta se abre a cada instante e entram senhores. O pequeno intrometeu-se, abriu bruscamente a porta e entrou.
Oh! Que barulho eles fizeram ao vê-lo, que agitação. Logo uma senhora se levantou, meteu uma moeda de copeque na mão e lhe abriu, ela mesma, a porta da rua. Como ele teve medo, o menino!
A moeda caiu-lhe das mãos e rolou no degrau da escada; ele não podia mais fechar os pequeninos dedos, de modo a segurar a moeda. O menino saiu correndo e caminhou rápido. Aonde ia ele? Não sabia. Gostaria bem de chorar, porém, tem medo demais. E corre, corre, soprando as mãos. E é tomado de tristeza; sente-se tão só, tão espantado! E, de repente, meu Deus! Que será ainda? Uma multidão de pessoas ali, de pé, que admira. Numa vitrina, por trás do vidro, três bonecas lindas, vestidas de ricas roupinhas vermelhas e amarelas, exatamente como se fossem vivas! E o velhinho sentado que parece tocar um violoncelo. Há também dois outros, de pé, que tocam violino pequenino e balançam a cabeça em compasso. Olham uns para os outros e seus lábios se mexem; eles falam, de fato! Apenas não se ouve, por causa do vidro.
E o menino pensa, a princípio, que eles são vivos; quando compreende que são bonecos, põe-se a rir. Nunca ele viu bonecos semelhantes e nem imaginara que nos houvessem assim. Ri quase que tem vontade de chorar; mas, que ridículo chorar por causa de uns bonecos!
De súbito, ele se sente agarrado pela roupa; perto dele está um rapaz grande e mau, que lhe dá um soco na cabeça, lhe arranca o gorro e dá-lhe um pontapé.
Ele cai. Ao mesmo tempo, todo o mundo grita; ele fica, por um momento, rígido de horror. Depois se levanta de um pulo e corre, corre, corre, mete-se pela porta de uma cocheira e se esconde num pátio, por detrás de uma pilha de lenha.
Aqui ninguém me vai encontrar; está bem escuro”.
Põe-se de cócoras e se encolhe todo; em seu terror, ele mal pode respirar. Falta-lhe o ar... Mas de repente, que estranho! Sente um bem-estar; seus pés e mãos já não lhe causam mal algum e, ele se sente quente como se estivesse perto do fogão e todo o seu corpo estremece. Ah! Ele vai adormecer.
Como é bom dormir aqui! Demorarei um pouco e depois irei ver as bonecas outra vez” – pensa ele e sorri à ideia das bonecas. Direitinho como se fossem vivas!”
Depois ele ouve a canção de sua mãe. “Mamãe, eu durmo... Ah! Como é bom aqui para a gente dormir!”
................................................................................................................
Vem a minha casa, criança, vem ver a árvore de Natal, – murmura uma voz suave.
Ele pensou, a princípio, que era sua mãe; mas não, não era ela.
Quem o chama então? Ele não vê. Mas alguém se debruça sobre ele e o envolve na obscuridade; ele lhe estende a mão e... Bruscamente – Oh! Que luz! Que árvore de Natal! Nunca sonhara com uma árvore assim tão linda! Nunca viu coisa semelhante!
Onde se acha ele agora? Tudo reluz e brilha. E as bonecas em toda a volta. Não, bonecas não; são meninos e meninas, apenas são muito brilhantes. Eles rodam em volta dele, voam, abraçam-no, conduzem-no e ele próprio voa. Vê sua mãe que olha, sorrindo para ele alegremente.
Mamãe! Mamãe! Oh! Como é bom estar aqui! – grita o pequeno.
E novamente abraça os meninos e pensa em como gostaria de lhes contar a história das bonecas atrás da vitrina. Mas domina-o uma curiosidade.
Quem vocês são, meninos? – pergunta ele.
Nós somos os pequeninos que viemos ver a árvore de Cristo – respondem todos em coro.
É a árvore de Natal de Jesus. Em casa de Jesus, neste dia, há sempre uma árvore de Natal para todos os meninos e meninas que não têm suas próprias...
E ele soube que todos esses meninos e todas essas meninas eram crianças como ele; uns mortos de frio nas cestas em que os abandonaram à porta dos funcionários de São Petersburgo; outros mortos nas isbás sem ar dos Tchaukhnas; alguns mortos de fome nos seios exaustos de suas mães, durante a fome de Samara; outros envenenados pela infecção dos vagões de terceira classe. Todos estão aqui, agora; todos são anjos, agora, em casa de Jesus, que sorri, no meio deles, estendendo-lhes as mãos, abençoando-os, a eles e às pecadoras suas mães...
Porque também as mães dessas criancinhas estão lá, afastadas, e choram; cada uma reconhece seu filho ou sua filha e os meninos voam para elas, beijam-nas, enxugam suas lágrimas com as mãos pequeninas e lhes suplicam que não chorem, pois eles se sentem felizes ali...
................................................................................................................
E, em baixo, pela manhã, o porteiro encontrou o pequeno corpo do menino refugiado no pátio, enregelado atrás da pilha de lenha. Encontraram sua mãe também. Morrera antes dele e reviram-se os dois no céu, na casa do Senhor.
................................................................................................................
Por que engendrei, eu, esta história pueril, que produz um estranho efeito no livro de um escritor sério? Eu, que não havia prometido contar neste livro senão coisas verdadeiras, sucedidas!

Mas aí fica... De resto, bem poderia tudo isso ter acontecido realmente... Sobretudo a descoberta dos dois cadáveres!... Quanto à árvore de Natal, meu Deus! Não sou eu romancista para inventar coisas como estas?